O velho e a moça

Ficar velho tem suas desvantagens, admito: a barriguinha que não volta mais, o cansaço, a falta de paciência. Por outro lado, sexo é menos esporte que brincadeira, e o velho aqui vai ficando cada vez melhor com esse tempo que passa devagar. E ela pede pra eu fazer assim, diz que gosta de fazer assado, acha que seria legal ir assim ou pra cá… been there, done that.

É ótimo brincar de professor, fingir que está no topo do mundo. Mostrar as brincadeiras que – de fato – se aprendeu nesse tempo de estrada. Lembro-me especialmente de uma mocinha muito assanhada que não queria tirar a calcinha num momento em que estávamos já agarrados, na cama dela, de cuequinha e calcinha. Sabe aquele “não” que na verdade já diz tudo, porque ela de fato não quer te dar, mas que também expressa um certo desespero de quem não achou que iria gostar tanto da brincadeira? Esse “não” só dizia no meu ouvido assim: pára de insistir em me comer, cara, eu quero ficar aqui de boa, mas sem sexo, e isso não vai rolar se você ficar insistindo, porra! E eu, no auge da minha putice, pensei comigo mesmo: tenho que jogar dos dois lados.

Simples assim: eu continuo deixando a pegação rolar, sem insistir no sexo, mas estimulando só o sexo. Isso significa, basicamente, evitar abraços muito apertados que não incluam ralar meu pinto por cima da calcinha dela. Também implica em puxar a mão dela pro meu pau, dar-lhe aquele princípio de dedada, só pra dar vontade, maneirar nos beijos, pra não distrair a atenção, e – claro – usar aqueles pontos fracos que toda mulher tem, mas que variam de mulher pra mulher. Se tu levou a mina pra cama peladinha, é de se esperar que você já tenha esse conhecimento, mesmo que só um pouco.

Num jogo de bilhar, esse tipo de sacanagem é o que a gente chama de sinuca de bico: ela não quer parar, mas não quer prosseguir. Aí você pára e prossegue: pára, porque diminui o estímulo que ela quer (o da pegação), e prossegue, porque aumenta o estímulo na parte que ela não quer (a da trepada). É uma puta sacanagem, e eu não recomendo o uso constante em namoradas ou esposas (a não ser que elas peçam), porque não é legal forçar uma trepada quando a mina não quer. Por outro lado, você vai acabar ganhando uma admiradora do seu potencial, mas que vai ter medo de se abrir pra ti de novo, já que sabe da sua “insistência” ou dos seus perigos… entendem?

Quanto à moça em questão, não trepamos. Ela resistiu bravamente, porque queria que eu dormisse na casa dela aquele dia (algo que vai contra certos princípios meus). Acabou oferecendo um boquetinho e sabe-se-lá-o-que-mais se eu ficasse por lá, mas aí fui eu quem decidiu partir. Até hoje a diabinha mantém contato comigo, e o papo sempre descamba pra leves putarias, do tipo que cabem em mensagens instantâneas.


2 Comentários on “O velho e a moça”

  1. Franci23 disse:

    Pó cara e tu deixou o boquete de lado?! Que foda!

  2. carlos disse:

    tem dias que anoite e foda!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.